Avançar para o conteúdo principal

É carnaval, ninguém leva a mal. Será mesmo?

Este ano celebrei o Carnaval em Aalst, uma das cidades belgas mais conhecidas por causa do carnaval e por causa das famosas" Janettes" que contrariamente ao que o wikipédia sugere não são "joanas sujas" nem sei que tradutor deficitário em comprensão teve tal ideia. As "Jannetes" é uma palavra usada para os homossexuais que são mais femininos e por isso mais evidentes do que os outros. A parte do sujo é criação bizarra e aleatória de alguma mente retrógada.
Durante o cortejo, chamou-me a atenção o carro dedicado à presidente da câmara (prefeita) da cidade Ilse Uyttersprot, uma mulher semi-despida numa torre: os locais decidiram fazer chacota da presidente que foi filmada com um ex-namorado a ter relações sexuais num telhado. O país onde foram filmadas estas imagens permanece dúbio. O video do you tube que incialmente se pensou que fosse abalar a carreira política desta mulher acabou por a tornar ainda mais mediática. Isto dá que pensar: não só pela comédia ser feita numa cidade onde todos se consideram muito liberais e  porque nunca um escândalo sexual com homens na política foi considerado como verdadeiramente negativo:  Sarkozy com as suas aventuras amorosas ganhou fama de mulherengo glamoroso e Bill Clinton ainda se tornou mais mediático depois da história do "blow job" da Monica Lewinsky. Perguntei-me durante dias o que deve ter pensado Ilse depois de ver o carro carnavalesco com a sua caricatura gigante a desfilar na sua própria cidade mas depois recebi a notícia que Ilse estava a aproveitar o Carnaval vestida de "Torre".
                 

Por outro lado não deixa de ser fascinante que mais uma vez o "homem político" seja qualquer for a sua tendência sexual ganha sempre pontos.Elio di Rupio foi apresentado como gay.Não teve direito a carro carnavalesco mas alguns populares apresentavam o primeiro ministro com papéis como " gaye fatale" ao mesmo tempo que um desenho ilustrava como o "gay

podia urinar" sorrindo para Bart de Wever. Foi ainda surpreendente a criação linguística deste pequeno grupo que espalhavam os papéis pela cidade ao apresentar o novo primeiro ministro como " la jannete que rit" frase que significa: o homossexual feminino que ri, os populares apresentaram assim o seu ministro por analogia à famosa marca de queijo: " la vache que rit". Uma ideia bem divertida para o Carnaval.

Comentários

  1. Fico a pensar na cara desses políticos ao verem suas caricaturas a desfilarem das formas mais banais!
    É no carnaval que o povo, comicamente, põe pra fora o seu sentimento de indignação. Vale à pena ver! Um grande abraço Paula!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Rui de Paula: sinónimo de comida portuguesa de luxo


       O cozinheiro Rui de Paula, do Porto é um fenómeno mundial e  local de sucesso. Em Portugal tem dois  restaurantes de renome o primeiro entre a Folgosa e o Pinhão no rio Douro  o Doc,  e  segundo, o Dop no Porto  que fica localizado no Palácio das Artes na Fábrica de Talentos mais precisamente no Largo de S. Domingos.

 Em Setembro esteve na Suíça e foi motivo  de orgulho e admiração pelos portugueses que trabalham na cozinha  e de surpresa  pelos suíços. Falei com o chefe de cozinha Carlos Manuel Gonçalves que trabalha  há 21 anos como cozinheiro  e que tem como fundo de especialização gastronómica  a cozinha italiana e suíça.

  Carlos Gonçalves explicou que Rui de Paula esteve a trabalhar no workshop do restaurante de 14 a 21 de Setembro e esteve a explicar como confeccionar os pratos que ele criou sempre com um fundo tradicional apesar de serem inovativos.
    O chefe do restaurante Santa Lucia Teatro em Zurique, na Suíça afirmou que o que mais o surpreendeu foi o…

Portugal, Porto calem ou laranja

Laranja. Laranja. Laranja. Esta é a tradução fonética da palavra Portugal em alguns países do médio oriente e até em alguns dialectos mediterrânicos.Esta descoberta que fiz acidentalmente devido a uma piada de uma mulher do Irão fez-me ir rever os meus conhecimentos de história e viajar/ descobrir as fascinantes trocas comerciais do mediterrâneo e chegar à conclusão que até hoje muitos mistérios históricos e factos que aconteceram entre árabes e portugueses ficaram na sombra do passado à espera de um momento para ver a luz.    - Não consigo controlar o riso quando me perguntam de onde vem. Digo sempre que vem de Portugal mas sempre que falo em árabe imagino-a a viver numa laranja gigante.      Perguntei à mulher exactamente o que queria dizer e entendi que a palavra laranja na sua língua materna era Portugal. Na altura achei curioso mas pensei que se tratasse de uma coincidência fonética, uma vez que durante anos sempre me ensinaram na escola que a palavra Portugal derivava de Port…

Nacionalismos...

Hoje penso na azinheira onde está Saramago e penso que um dia quase o conheci. Desde que morreu sinto a vida dessa azinheira e penso nela, penso que o vento que eu respiro pode chegar a essa azinheira e tocar as folhas dessa árvore.    São estas agruras que para os outros podem parecer infundadas que me submergem num nacionalismo por vezes taciturno e exacerbado. Mas a minha dor pertence também aqueles que ainda não são vento, nem árvore, mas que me escapam num folhear de livros e de movimento espacial.    Quando era estudante esquecia os assuntos escolares e mergulhava nos textos do António Lobo Antunes, e ouvia constantemente alguém dizer:     - Mas vais de deixar de ler o que esse gajo velho escreve ou quê?! Não me dás atenção e não vês que estou aqui!
  Sempre pensei que seria assim por gostar de literatura e por gostar de ler. Mas esse era só um fator da natureza de uma outra realidade oculta. Viria a descobrir anos mais tarde durante uma apresentação do Siza Vieira em 2007 n…