Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2012

Vender é perder?

Tenho andado a refletir sobre a diferença entre perder ou vender um negócio. À partida muitos diriam que no caso da venda, o vendedor ganharia dinheiro, mas o que acontece quando o negócio envolve centenas de outros negócios? Transações e milhares de  micro negócios e empresas associados a um bem que será vendido? Depois de ter visto o Pingo Doce a ser vendido aos holandeses, a EDP aos chineses, parte do Millenium à filha do presidente Eduardo dos Santos, estava na hora de ver também a percentagem infíma mas preciosa para Portugal de 15% da barragem de Kaho-Bassa ser vendida aos moçambicanos. Não é que eu tenha nada contra o multiculturalismo mas o que me pergunto é como é que Portugal será capaz de manter uma auto suficiência financeira se estamos a ser controlados e subjugados por outros. Fiquei ainda mais perplexa com a posição de Passos de Coellho em Moçambique enquanto falava com um grupo de crianças que trabalhavam o vime para fazer cestos: " E então quanto tempo se demora…

Retratos de um Portugal deprimido

Como portuguesa que sou fiz questão da última vez que saí de Portugal de beber vinho durante a viagem de avião para me tentar esquecer que estava a deixar o meu país...bebi tinto maduro, para ter uma ideia saudosista do meu alentejo e ribatejo lá longe... Este simples acto, o de beber vinho, não só me fez sentir bem e mal como foi em simultâneo um dos muitos milhares de retratos de portugueses deprimidos: ora porque deixam o país, ora porque ficam em território nacional, ora porque querem emigrar e não sabem como fazê-lo...outros ainda vi a resignarem-se simplesmente à sua sorte e em modo de velho do restelo a tomar comprimidos com aguardente para tentar esquecer a idade e a troika. Admiro os portugueses que conseguem esquecer a crise com um simples jogo de futebol ou com a telenovela da Santinha da luz. Admiro porque não sou capaz. Não há palavra mais triste e ignóbil do que o "trespasse" do antigo atelier da minha costureira, ou as horas mortas na fila do banco no dia de l…