Avançar para o conteúdo principal

Portugal, Porto calem ou laranja

Laranja. Laranja. Laranja. Esta é a tradução fonética da palavra Portugal em alguns países do médio oriente e até em alguns dialectos mediterrânicos.Esta descoberta que fiz acidentalmente devido a uma piada de uma mulher do Irão fez-me ir rever os meus conhecimentos de história e viajar/ descobrir as fascinantes trocas comerciais do mediterrâneo e chegar à conclusão que até hoje muitos mistérios históricos e factos que aconteceram entre árabes e portugueses ficaram na sombra do passado à espera de um momento para ver a luz.
   - Não consigo controlar o riso quando me perguntam de onde vem. Digo sempre que vem de Portugal mas sempre que falo em árabe imagino-a a viver numa laranja gigante.
     Perguntei à mulher exactamente o que queria dizer e entendi que a palavra laranja na sua língua materna era Portugal. Na altura achei curioso mas pensei que se tratasse de uma coincidência fonética, uma vez que durante anos sempre me ensinaram na escola que a palavra Portugal derivava de Porto calem por analogia ou referência à cidade do Porto.
    Anos passados quando uma vez discutia entre amigos de outras nacionalidades as palavras ou as expressões que tem sentidos diversos e contraditórios ou cómicos em outras línguas relembrei a mulher iraniana e a sua piada  e contei-lhes a história. A reacção de muitos deles foi diferente do que esperava: Um amigo meu marroquino disse-me que sim que não era invulgar chamar à Laranja البرتغال, outra amiga da Síria diz-me o mesmo e entre eles um italiano explica-me que num dialecto local a palavra Portugallo significa laranja. Entusiasmada peço-lhes que me escrevam no papel o nome laranja.
    Curiosamente os portugueses eram conhecidos no século XVI por terem introduzido uma variedade distinta de laranjas na europa vindas da China, uma variedade que ao contrário das nativas europeias era doce e por esse motivo também em grego laranja  é "portokali e portakal em turco, em romeno é portocala e portogallo com diferentes grafias nos vários dialectos italianos" . Mas ao ler  alguns dos textos disponíveis sobre a história da laranja sabe-se sim que era originária da Indía e conhecida pelo nome  nareng, nome que foneticamente é muito mais similar à palavra laranja que conhecemos. O que me pergunto é: será que apartir do momento que as cruzadas entraram em contacto e/ou conflito tomaram conhecimento da existência da àrvore através do norte de África? Será que de alguma forma os portugueses tiveram acesso a zonas da Ásia ou Indía que se pansavam na altura não terem sido descobertas ainda? Será que afinal esta variante foi apenas descoberta por coincidência por navegadores portugueses e por onde passaram os povos com quem mantinham relações comerciais passaram a denominar os frutos por referência à origem dos vendores? Um dia quem sabe ainda vou fazer a rota das maçãs do paraíso e tentar tirar conclusões mais exactas.






Comentários

  1. Que post fixe. Como a minha irmã é professora de mandarim, descobri que Portugal em chinês significa literalmente "o país das uvas". Definitivamente, estamos ligados à fruta!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado. Somos e sempre seremos um país de comerciantes e navegadores.Estas ideias que os outros têm de nós é surpreende e por vezes cómico: nunca vou esquercer uma exposição que vi sobre a China onde numa das descrições
      os chineses convidavam primeiro os portugueses que vinham das naus a tomar banho e depois estabelecer relações comerciais. Diziam que os portugueses eram os revendedores de nariz comprido e em todas as telas onde estavam representados tinham assim um ar sujinho e nariz muito grande.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Rui de Paula: sinónimo de comida portuguesa de luxo


       O cozinheiro Rui de Paula, do Porto é um fenómeno mundial e  local de sucesso. Em Portugal tem dois  restaurantes de renome o primeiro entre a Folgosa e o Pinhão no rio Douro  o Doc,  e  segundo, o Dop no Porto  que fica localizado no Palácio das Artes na Fábrica de Talentos mais precisamente no Largo de S. Domingos.

 Em Setembro esteve na Suíça e foi motivo  de orgulho e admiração pelos portugueses que trabalham na cozinha  e de surpresa  pelos suíços. Falei com o chefe de cozinha Carlos Manuel Gonçalves que trabalha  há 21 anos como cozinheiro  e que tem como fundo de especialização gastronómica  a cozinha italiana e suíça.

  Carlos Gonçalves explicou que Rui de Paula esteve a trabalhar no workshop do restaurante de 14 a 21 de Setembro e esteve a explicar como confeccionar os pratos que ele criou sempre com um fundo tradicional apesar de serem inovativos.
    O chefe do restaurante Santa Lucia Teatro em Zurique, na Suíça afirmou que o que mais o surpreendeu foi o…

Nacionalismos...

Hoje penso na azinheira onde está Saramago e penso que um dia quase o conheci. Desde que morreu sinto a vida dessa azinheira e penso nela, penso que o vento que eu respiro pode chegar a essa azinheira e tocar as folhas dessa árvore.    São estas agruras que para os outros podem parecer infundadas que me submergem num nacionalismo por vezes taciturno e exacerbado. Mas a minha dor pertence também aqueles que ainda não são vento, nem árvore, mas que me escapam num folhear de livros e de movimento espacial.    Quando era estudante esquecia os assuntos escolares e mergulhava nos textos do António Lobo Antunes, e ouvia constantemente alguém dizer:     - Mas vais de deixar de ler o que esse gajo velho escreve ou quê?! Não me dás atenção e não vês que estou aqui!
  Sempre pensei que seria assim por gostar de literatura e por gostar de ler. Mas esse era só um fator da natureza de uma outra realidade oculta. Viria a descobrir anos mais tarde durante uma apresentação do Siza Vieira em 2007 n…