Avançar para o conteúdo principal

Veganista, vegetariano, carnívoro ou omnívoro?

Há alguns dias atrás serviram-me um prato de comida farto, era um prato quadrado e gigante que tinha um pouco de tudo: salada, batatas fritas, hamburguer, molho e para acompanhar uma coca-cola clássica. Eu comi, comi e comi e ainda assim o prato ficou a meio. Ao observar as pessoas no mesmo restaurante, vi que cerca de 80% por cento fez o mesmo que eu. Pensei que uma quantidade significativa daquela comida haveria de ir para o lixo ou quem sabe como se faz em restaurantes menos sérios  voltar a ser reutilizada por outros clientes.
 As pessoas passam a vida preocupadas com a aparência e a imagem, enquanto fingem que andam preocupadas com o ambiente " Eu comer carne? Nunca! Gasta sete vezes mais água e os animais são mortos". Quando ouço estes comentários tenho logo vontade de perguntar se tomam banho de chuveiro em casa ou se apreciam mais um banho ou se alguma vez durante a vida adoptaram algum animal do asilo ou recolheram algum gato mirolho da rua, porque sei que são estas pessoas as "vegetarianas" que gostam de um bom banho de imersão e gostam de ter um cão de raça. Talvez nem todos os vegetarianos tenham este comportamento contraditório e quase irónico, mas a maioria dos que conheço são assim.
  Mas quando achamos que o mundo é um lugar diverso, estranho e cheio de contradições ficamos ainda mais abismados com os radicalismos, ou seja enquanto existem pessoas a lutar semana a semana para se poderem alimentar ou pessoas como conheci que compram feijão à grama, temos do outro lado os veganistas que por tão nobres e respeitosos do meio ambiente que são, não comem nem carne, nem peixe nem nenhum alimento derivado de origem animal. Quando confrontada com este fenómeno perguntei: "Estas pessoas comem o quê então? Ar?" A minha ingenuidade foi evidente quando depois de pesquisar me deparei como uma série de lojas específicas para veganistas, onde os seus representantes admiravelmente pálidos faziam publicidade às raízes desta e de outra planta, aos pólens...fui a uma destas lojas e enquanto apreciava um pote de mel super caro perguntei ao vendedor: E o mel não é de origem animal? O vendedor disse-me que não, que era feito com o pólen das flores. Eu dei uma gargalhada e disse: " Mas as abelhinhas coitadinhas, precisam de trabalhar para que nós, o homem, tenhamos o gosto de saborear este mel não?" O homem ficou a olhar com um ar de desagrado para a minha pessoa, obviamente omnívora.
  O que me pergunto todos os dias é porque motivo ainda não foi criado nenhum movimento para se consumir menos, ou pelo menos se consumir só o que se come. Quantos animais e quantas plantas seriam poupadas deste genocídio global de seres vivos, se todas as pessoas pensassem nisso quando fossem ao supermercado ou quando fossem cozinhar? Lanço o desafio e quem sabe não crio um site para mostrar receitas e produtos que podem ser reutilizados ou melhor: gastar menos e consumir o justo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rui de Paula: sinónimo de comida portuguesa de luxo


       O cozinheiro Rui de Paula, do Porto é um fenómeno mundial e  local de sucesso. Em Portugal tem dois  restaurantes de renome o primeiro entre a Folgosa e o Pinhão no rio Douro  o Doc,  e  segundo, o Dop no Porto  que fica localizado no Palácio das Artes na Fábrica de Talentos mais precisamente no Largo de S. Domingos.

 Em Setembro esteve na Suíça e foi motivo  de orgulho e admiração pelos portugueses que trabalham na cozinha  e de surpresa  pelos suíços. Falei com o chefe de cozinha Carlos Manuel Gonçalves que trabalha  há 21 anos como cozinheiro  e que tem como fundo de especialização gastronómica  a cozinha italiana e suíça.

  Carlos Gonçalves explicou que Rui de Paula esteve a trabalhar no workshop do restaurante de 14 a 21 de Setembro e esteve a explicar como confeccionar os pratos que ele criou sempre com um fundo tradicional apesar de serem inovativos.
    O chefe do restaurante Santa Lucia Teatro em Zurique, na Suíça afirmou que o que mais o surpreendeu foi o…

Da deficiência

Há dias chamou-me atenção a notícia amplamente divulgada no Facebook sobre o campeonato mundial de Atletismo de Síndrome de Down. A equipa portuguesa foi a vencedora e no post o autor queixava-se que a notícia não seria divulgada nos media.O post atraíu a minha atenção não pela queixa mas pelo facto do dito autor do texto não ter fornecido mais informações sobre o nome do vencedor, biografia ou detalhes da prova.


Um outro post no facebook semanas antes atraíu também a minha atenção: desta vez por causa da reivindicação social de outro atleta português paralímpico que tinha parado de receber subsídio social do estado português sem razão aparente. A acompanhar o post o atleta diz: "Eu, David Grachat, portador de deficiência física - mal formação congénita (amputado da mão esquerda), encontro-me há mais de 1 ano e 6 meses numa luta com o Serviço Português da Segurança Social, serviço esse que me retirou os meus direitos enquanto cidadão com deficiência."Na foto o atleta pede q…

Saber lavar as mãos

Hoje não consigo parar de pensar nas pessoas que sabem lavar as mãos.  Depois de ler sucessivas notícias  como:  Paris "precisa de portugueses para trabalhar na Disneyland", ou "AutoEuropa leva pessoal para emigrar para a Alemanha" ou "1.550 ofertas de emprego nos Estados Unidos" ou " Oportunidades em Moçambique" e notícias associadas com os melhores empregos no Brasil, em Angola e na " Conchichina" não aguento mais!   Apesar de eu própria ter emigrado há algum tempo, existe uma voz que incomoda e que me diz com persistência: mas porque motivo temos todos agora de emigrar em massa? Porque razão se somos o mesmo povo temos sucesso noutros países e não no nosso país de origem? E de repente recordo essa cena de Pilatos a lavar as mãos na água antes de Cristo ser sacrificado...  Existe agora o argumento da moda, chama-se "CRISE", esse monstro pavoroso criado por alguns para aterrorizar uma maioria demasiado ocupada para se preoc…