Avançar para o conteúdo principal

Veganista, vegetariano, carnívoro ou omnívoro?

Há alguns dias atrás serviram-me um prato de comida farto, era um prato quadrado e gigante que tinha um pouco de tudo: salada, batatas fritas, hamburguer, molho e para acompanhar uma coca-cola clássica. Eu comi, comi e comi e ainda assim o prato ficou a meio. Ao observar as pessoas no mesmo restaurante, vi que cerca de 80% por cento fez o mesmo que eu. Pensei que uma quantidade significativa daquela comida haveria de ir para o lixo ou quem sabe como se faz em restaurantes menos sérios  voltar a ser reutilizada por outros clientes.
 As pessoas passam a vida preocupadas com a aparência e a imagem, enquanto fingem que andam preocupadas com o ambiente " Eu comer carne? Nunca! Gasta sete vezes mais água e os animais são mortos". Quando ouço estes comentários tenho logo vontade de perguntar se tomam banho de chuveiro em casa ou se apreciam mais um banho ou se alguma vez durante a vida adoptaram algum animal do asilo ou recolheram algum gato mirolho da rua, porque sei que são estas pessoas as "vegetarianas" que gostam de um bom banho de imersão e gostam de ter um cão de raça. Talvez nem todos os vegetarianos tenham este comportamento contraditório e quase irónico, mas a maioria dos que conheço são assim.
  Mas quando achamos que o mundo é um lugar diverso, estranho e cheio de contradições ficamos ainda mais abismados com os radicalismos, ou seja enquanto existem pessoas a lutar semana a semana para se poderem alimentar ou pessoas como conheci que compram feijão à grama, temos do outro lado os veganistas que por tão nobres e respeitosos do meio ambiente que são, não comem nem carne, nem peixe nem nenhum alimento derivado de origem animal. Quando confrontada com este fenómeno perguntei: "Estas pessoas comem o quê então? Ar?" A minha ingenuidade foi evidente quando depois de pesquisar me deparei como uma série de lojas específicas para veganistas, onde os seus representantes admiravelmente pálidos faziam publicidade às raízes desta e de outra planta, aos pólens...fui a uma destas lojas e enquanto apreciava um pote de mel super caro perguntei ao vendedor: E o mel não é de origem animal? O vendedor disse-me que não, que era feito com o pólen das flores. Eu dei uma gargalhada e disse: " Mas as abelhinhas coitadinhas, precisam de trabalhar para que nós, o homem, tenhamos o gosto de saborear este mel não?" O homem ficou a olhar com um ar de desagrado para a minha pessoa, obviamente omnívora.
  O que me pergunto todos os dias é porque motivo ainda não foi criado nenhum movimento para se consumir menos, ou pelo menos se consumir só o que se come. Quantos animais e quantas plantas seriam poupadas deste genocídio global de seres vivos, se todas as pessoas pensassem nisso quando fossem ao supermercado ou quando fossem cozinhar? Lanço o desafio e quem sabe não crio um site para mostrar receitas e produtos que podem ser reutilizados ou melhor: gastar menos e consumir o justo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rui de Paula: sinónimo de comida portuguesa de luxo


       O cozinheiro Rui de Paula, do Porto é um fenómeno mundial e  local de sucesso. Em Portugal tem dois  restaurantes de renome o primeiro entre a Folgosa e o Pinhão no rio Douro  o Doc,  e  segundo, o Dop no Porto  que fica localizado no Palácio das Artes na Fábrica de Talentos mais precisamente no Largo de S. Domingos.

 Em Setembro esteve na Suíça e foi motivo  de orgulho e admiração pelos portugueses que trabalham na cozinha  e de surpresa  pelos suíços. Falei com o chefe de cozinha Carlos Manuel Gonçalves que trabalha  há 21 anos como cozinheiro  e que tem como fundo de especialização gastronómica  a cozinha italiana e suíça.

  Carlos Gonçalves explicou que Rui de Paula esteve a trabalhar no workshop do restaurante de 14 a 21 de Setembro e esteve a explicar como confeccionar os pratos que ele criou sempre com um fundo tradicional apesar de serem inovativos.
    O chefe do restaurante Santa Lucia Teatro em Zurique, na Suíça afirmou que o que mais o surpreendeu foi o…

Portugal, Porto calem ou laranja

Laranja. Laranja. Laranja. Esta é a tradução fonética da palavra Portugal em alguns países do médio oriente e até em alguns dialectos mediterrânicos.Esta descoberta que fiz acidentalmente devido a uma piada de uma mulher do Irão fez-me ir rever os meus conhecimentos de história e viajar/ descobrir as fascinantes trocas comerciais do mediterrâneo e chegar à conclusão que até hoje muitos mistérios históricos e factos que aconteceram entre árabes e portugueses ficaram na sombra do passado à espera de um momento para ver a luz.    - Não consigo controlar o riso quando me perguntam de onde vem. Digo sempre que vem de Portugal mas sempre que falo em árabe imagino-a a viver numa laranja gigante.      Perguntei à mulher exactamente o que queria dizer e entendi que a palavra laranja na sua língua materna era Portugal. Na altura achei curioso mas pensei que se tratasse de uma coincidência fonética, uma vez que durante anos sempre me ensinaram na escola que a palavra Portugal derivava de Port…

Nacionalismos...

Hoje penso na azinheira onde está Saramago e penso que um dia quase o conheci. Desde que morreu sinto a vida dessa azinheira e penso nela, penso que o vento que eu respiro pode chegar a essa azinheira e tocar as folhas dessa árvore.    São estas agruras que para os outros podem parecer infundadas que me submergem num nacionalismo por vezes taciturno e exacerbado. Mas a minha dor pertence também aqueles que ainda não são vento, nem árvore, mas que me escapam num folhear de livros e de movimento espacial.    Quando era estudante esquecia os assuntos escolares e mergulhava nos textos do António Lobo Antunes, e ouvia constantemente alguém dizer:     - Mas vais de deixar de ler o que esse gajo velho escreve ou quê?! Não me dás atenção e não vês que estou aqui!
  Sempre pensei que seria assim por gostar de literatura e por gostar de ler. Mas esse era só um fator da natureza de uma outra realidade oculta. Viria a descobrir anos mais tarde durante uma apresentação do Siza Vieira em 2007 n…