Avançar para o conteúdo principal

Da deficiência

Há dias chamou-me atenção a notícia amplamente divulgada no Facebook sobre o campeonato mundial de Atletismo de Síndrome de Down. A equipa portuguesa foi a vencedora e no post o autor queixava-se que a notícia não seria divulgada nos media.O post atraíu a minha atenção não pela queixa mas pelo facto do dito autor do texto não ter fornecido mais informações sobre o nome do vencedor, biografia ou detalhes da prova.


Um outro post no facebook semanas antes atraíu também a minha atenção: desta vez por causa da reivindicação social de outro atleta português paralímpico que tinha parado de receber subsídio social do estado português sem razão aparente. A acompanhar o post o atleta diz: "Eu, David Grachat, portador de deficiência física - mal formação congénita (amputado da mão esquerda), encontro-me há mais de 1 ano e 6 meses numa luta com o Serviço Português da Segurança Social, serviço esse que me retirou os meus direitos enquanto cidadão com deficiência."Na foto o atleta pede que descubram a diferença entre a uma foto sua tirada em em 2000 e outra de 2011, fazendo as pessoas constantar que continua na mesma situação.


Mas nem sempre os deficientes são neglicenciados isto porque associacões como a CLAP (centro local de Animação e Promoção Rural em Amarante) deu apoio social durante alguns meses em 1999 e 2000  incluindo deficientes físicos e mentais, apoio que surtiu efeitos: " Desde que o meu irmão começou a ter acesso a este apoio social, evoluíu muito, nós estavamos até confiantes que seria capaz de ser totalmente autónomo" explicou Helder Peixoto, a respeito da grande evolução e progresso do irmão com 50 anos, que depois de ter sofrido um ataque de meningite na infância viria a sofrer de deficiências mentais para o resto da vida.
  Mas o caso do irmão do Hélder Peixoto é exepção porque a verdade é que quase todos os assuntos relacionados a deficientes físicos ou mentais são em Portugal um gigante tabu e muitos destes deficientes vivem nas condições mais estremas de sofrimento e de isolamento, muitas vezes encerradas pelos próprios familiares em casa, como se a sua realidade tivesse de ser encarcerada e serem para sempre confinados à sombra. Mas a questão do "vamos esconder o deficiente" começa agora num mundo globalizdo a ganhar outros contornos e muitos começam a reivindicar direitos incómodos a uma sociedade que exige a perfeição fisica e mental. Na Holanda por exemplo existe  um grupo de assistentes sociais chamado de " Masturbatie team" estas mulheres prestam serviços masturbatórios a homens e mulheres deficientes sendo que um dos temas largamente discutidos tem sido o direito ao sexo com ou sem deficiência: http://www.filamentmagazine.com/2011/09/helping-disabled-people-meet-their-emotional-and-sexual-needs//
 A mesma reinvindicação foi feita em Inglaterra onde um homem de 21 anos portador de deficiência física reinvindicou o direito de ter sexo como qualquer outro ser humano e acabou por conseguir que o estado lhe reconhecesse o direito e fosse criado um fundo que financia sex holydays (férias com sexo). O pedido haveria de ser ouvido e o estado inglês acabou mesmo por criar programas destinados aos cidadãos ingleses com deficiência para que pudessem não só ir de férias para outro país como usufruir do direito ao sexo (ver em: http://www.dailymail.co.uk/news/article-1303273/Councils-pay-disabled-visit-prostitutes-lap-dancing-clubs.html).
 Um filme polémico tem também chamado atenção de milhares de pessoas para este problema social:  "Hasta la vista", um filme de um grupo de jovens portadores de deficiências que fazem uma viagem a Espanha à procura de sexo, ver em: http://www.youtube.com/watch?v=EfrQRas7gPw 
 A pergunta que fica é: Até quando as sociedades, os estados, os governos, as pessoas vão fingir que os deficientes não existem e que todos somos perfeitos, felizes e vivemos afinal num conto de fadas?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rui de Paula: sinónimo de comida portuguesa de luxo


       O cozinheiro Rui de Paula, do Porto é um fenómeno mundial e  local de sucesso. Em Portugal tem dois  restaurantes de renome o primeiro entre a Folgosa e o Pinhão no rio Douro  o Doc,  e  segundo, o Dop no Porto  que fica localizado no Palácio das Artes na Fábrica de Talentos mais precisamente no Largo de S. Domingos.

 Em Setembro esteve na Suíça e foi motivo  de orgulho e admiração pelos portugueses que trabalham na cozinha  e de surpresa  pelos suíços. Falei com o chefe de cozinha Carlos Manuel Gonçalves que trabalha  há 21 anos como cozinheiro  e que tem como fundo de especialização gastronómica  a cozinha italiana e suíça.

  Carlos Gonçalves explicou que Rui de Paula esteve a trabalhar no workshop do restaurante de 14 a 21 de Setembro e esteve a explicar como confeccionar os pratos que ele criou sempre com um fundo tradicional apesar de serem inovativos.
    O chefe do restaurante Santa Lucia Teatro em Zurique, na Suíça afirmou que o que mais o surpreendeu foi o…

Portugal, Porto calem ou laranja

Laranja. Laranja. Laranja. Esta é a tradução fonética da palavra Portugal em alguns países do médio oriente e até em alguns dialectos mediterrânicos.Esta descoberta que fiz acidentalmente devido a uma piada de uma mulher do Irão fez-me ir rever os meus conhecimentos de história e viajar/ descobrir as fascinantes trocas comerciais do mediterrâneo e chegar à conclusão que até hoje muitos mistérios históricos e factos que aconteceram entre árabes e portugueses ficaram na sombra do passado à espera de um momento para ver a luz.    - Não consigo controlar o riso quando me perguntam de onde vem. Digo sempre que vem de Portugal mas sempre que falo em árabe imagino-a a viver numa laranja gigante.      Perguntei à mulher exactamente o que queria dizer e entendi que a palavra laranja na sua língua materna era Portugal. Na altura achei curioso mas pensei que se tratasse de uma coincidência fonética, uma vez que durante anos sempre me ensinaram na escola que a palavra Portugal derivava de Port…

Veganista, vegetariano, carnívoro ou omnívoro?

Há alguns dias atrás serviram-me um prato de comida farto, era um prato quadrado e gigante que tinha um pouco de tudo: salada, batatas fritas, hamburguer, molho e para acompanhar uma coca-cola clássica. Eu comi, comi e comi e ainda assim o prato ficou a meio. Ao observar as pessoas no mesmo restaurante, vi que cerca de 80% por cento fez o mesmo que eu. Pensei que uma quantidade significativa daquela comida haveria de ir para o lixo ou quem sabe como se faz em restaurantes menos sérios  voltar a ser reutilizada por outros clientes.  As pessoas passam a vida preocupadas com a aparência e a imagem, enquanto fingem que andam preocupadas com o ambiente " Eu comer carne? Nunca! Gasta sete vezes mais água e os animais são mortos". Quando ouço estes comentários tenho logo vontade de perguntar se tomam banho de chuveiro em casa ou se apreciam mais um banho ou se alguma vez durante a vida adoptaram algum animal do asilo ou recolheram algum gato mirolho da rua, porque sei que são est…